segunda-feira, maio 14, 2007

Campeonato das Ligas e de Portugal

O Campeonato de Portugal e os
Campeonatos das Ligas
Em razão de polémicas e dúvidas surgidas ao longo dos anos, sobre a validade do Campeonato de Portugal (CP) outorgar o título de campeão nacional e o antigo Campeonato das Ligas (CL) ter validade como campeonato nacional, convidei o meu amigo Paulo Claro, um estudioso das competições nacionais e distritais, desde a fundação das associações distritais, a elaborar um texto em que se esclarece definitivamente a forma como se disputaram as primeiras provas nacionais de futebol em Portugal.

A denominação do “Campeonato das Ligas” - tradução da palavra inglesa LEAGUE - aparece num tempo em que os termos ingleses do “football” eram muito utilizados em Portugal, daí baptizarem a prova desta forma para dizer que era uma prova em “poule”, ou seja, “todos contra todos”.
Como estes campeonatos tinham duas divisões, ficaram conhecidos como 1ª Liga e 2ª Liga.
No livro da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) "1º Centenário do Futebol Português - Os 75 anos da FPF" escrito em 1989 pelo jornalista Henrique Parreirão, vem bem explícita a situação do Campeonato de Portugal e dos Campeonatos das Ligas pois, a FPF facultou os seus arquivos para consulta. Assim quem ler este livro não poderá ter dúvidas quanto à atribuição dos títulos de Campeão Nacional e quais as provas que conferiam esse título!
A quem me diz que os CL é que davam os campeões nacionais, aconselho sempre uma leitura cuidada do livro atrás referido para esclarecimentos de ideias e, com os pensamentos livres de “clubites” e outros facciosismos, com a mente em contacto com os anos em que decorreram estas provas, fazer um raciocínio lógico da situação.
E tem resultado em cheio! Alguns amigos tiraram todas as dúvidas porque, vem tudo lá bem explícito com transcrições de Actas e Regulamentos de Provas.
Ora, segundo me foi ensinado na escola devemos sempre respeitar a lei, mesmo que não concordemos com ela! É certo que a própria FPF tem culpas no cartório por não assumir uma posição clara na altura mas, isso deve-se ao empolgamento que o CL criou, e também ao facto de grandes nomes do jornalismo da altura quererem fazer passar a ideia da importância destes campeonatos passando por cima da prova que dava o campeão nacional ou seja, o CAMPEONATO DE PORTUGAL.
Realmente o Campeonato da Liga e o Campeonato Nacional da 1ª Divisão foram disputados da mesma forma: em “poule” ou seja, no sistema de “todos contra todos”.
Mas o regulamento era diferente; porque o CL era uma prova extraordinária para estudar a viabilidade económica, uma vez que obrigava os clubes a deslocarem-se regularmente por todo o país, o que naquela altura era um empreendimento extraordinário.
O CP, no sistema de eliminatórias, era disputado após a realização dos campeonatos distritais, onde se apuravam os melhores, para a prova nacional e tinha o desígnio de encontrar o campeão nacional, de Portugal, obviamente!
A partir de 1934/35, o campeonato das ligas substituiu o apuramento distrital.
Nos relatórios da Federação Portuguesa de Futebol, pode ler-se: "clubes com direito a participar no Campeonato de Portugal: os oito clubes da 1ª Liga, os seis melhores da 2ª Liga mais o apurado das Ilhas, o que perfazia o total de 15 clubes.”
O clube vencedor do Campeonato de Portugal recebia uma cópia do troféu denominado Taça Portugal.
Taça cujo original está exposto ao público, na Federação Portuguesa de Futebol, e o qual serviu de modelo à actual Taça de Portugal.
O campeonato das ligas teve sucesso económico logo na primeira época e continuou a disputar-se na época seguinte logo a seguir aos distritais, como prova extraordinária! E o sucesso não foi só financeiro. A sucessão dos embates entre as melhores equipas nacionais empolgava o público de tal maneira que se considerou o campeonato das ligas, a mais importante.
Daí, que a imprensa começasse a considerar o vencedor da prova, CAMPEÃO DA LIGA - tal e qual os relatórios da FPF designavam.
Mais tarde, o famoso jornalista Ricardo Ornelas começou a defender nas páginas do jornal “Os Sports” que o vencedor da Liga é que era o campeão nacional.
Mas a verdade é que de acordo com os regulamentos, o Campeonato de Portugal é que apurava o campeão nacional, enquanto o campeonato das ligas continuava a ser uma prova secundária.
A grande remodelação dos Regulamentos das provas da FPF foram efectuadas em Agosto de 1938 durante um Congresso realizado para esse fim. Foi elaborado um documento histórico que explicava e justificava a nova Regulamentação e que a dado passo, entre outras coisas dizia: "PARA POR EM PRÁTICA TODA ESTA REALIZAÇÃO HÁ QUE ACABAR COM OS CAMPEONATOS DAS LIGAS E SUBSTITUIR O CAMPEONATO DE PORTUGAL DAS JORNADAS EM SUCESSIVAS ELIMINAÇÕES, POR UM CAMPEONATO DE MAIOR RIGOR E REGULARIDADE PELO SISTEMA DE «POULE» EM DUAS VOLTAS".
Perante isto não sei o que mais dizer…
Só, talvez acrescentar, que foi criada uma nova prova chamada TAÇA DE PORTUGAL que seria disputada nos mesmos moldes do antigo C.P. mas com finalidade diferente. Aqui já não era para apurar o Campeão Nacional mas sim, para que os clubes mais pequenos tivessem oportunidade para jogar com os grandes ou seja, para que haja a FESTA DA TAÇA.
Mais uma vez se chama a atenção para o que dizem os REGULAMENTOS DAS PROVAS pois, estes são a lei.
Lembremos a razão que “obrigou” a organização urgente do campeonato das ligas…
A seguir á vergonhosa derrota da Selecção Nacional por 0-9 contra a Espanha, começaram a levantar-se vozes contra a maneira como era disputado o Campeonato Nacional na altura (CP). Deviam fazer-se mais jogos contra equipas mais fortes. Ricardo Ornelas escreveu nos jornais que se deveria realizar uma prova em poule, como já se fazia em muitos países, para dar mais competitividade aos jogadores. Outras vozes se lhe juntaram e então a FPF que, também estava descontente com a situação, avançou para uma solução. Elaborar um projecto para um campeonato em “poule”. Esse projecto foi elaborado por Plácido de Souza, Ribeiro dos Reis, Cândido de Oliveira e Virgílio da Fonseca.
Mas havia muito receio por parte da F.P.F acerca da aceitação do público e sobre o aspecto financeiro da prova. Seria suficiente a receita para pagar as despesas? E o público iria assistir a tantos jogos? Portanto avançaram para este projecto com muitos receios. Sendo assim, nada melhor que fazer a experiência por isso deixaram escrito em acta "FICOU RESOLVIDO PROMOVER A TITULO EXPERIMENTAL OS CAMPEONATOS DAS LIGAS, 1ª E 2ª DIVISÕES, SEM PREJUÍZO DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS, NEM DO CAMPEONATO DE PORTUGAL".
Isto indica claramente a subjugação das Ligas em relação ao CP e até aos Campeonatos Distritais!
Ora, se por esta altura já havia um Campeonato Nacional como é que podia existir outro!? É claro que essa questão nem se pôs, pois para isso, teriam de ser alterados os Regulamentos das Provas, coisa que só aconteceu em 1938…
Na 1ª época em que se disputou a 1ª Liga (1934-35) o clube vencedor nem direito a taça teve. Apenas foram entregues medalhas aos jogadores. Só a partir da época seguinte foi entregue uma taça. Penso, no entanto, que o FC Porto acabou por receber mais tarde o troféu referente ao primeiro campeonato.
Os CL eram sem dúvida provas oficiais da FPF mas os vencedores eram apenas considerados campeões das 1ª e 2ª Ligas nunca CAMPEÕES NACIONAIS ! Foram provas muito importantes para a actual estrutura do futebol Nacional pois, devido ao seu sucesso se pôde avançar para o modelo que temos hoje que foi introduzido em 1938-39.
No Relatório da FPF de 1936-37 vem escrito o seguinte: O Campeonato da Liga voltou a agradar sobremaneira e, dessa forma, não será possível dizer-se mais que estamos em período de experiências, pois a consolidação está feita. Seria um erro suprimi-la." Portanto, era uma prova que tinha sido feita para um determinado prazo e que afinal, superou todas as expectativas”
Temos que ver os campeões Nacionais a partir 1921-22 e não à posteriori. Temos que ver as coisas desde o início, não é hoje em dia olhar para trás e dizer que ficava melhor juntar os vencedores do CL aos vencedores da 1ª divisão e juntar aqueles do CP aos da Taça de Portugal. Isso é totalmente errado. E assim se criam confusões! Não se pode mudar uma lei, 50 anos depois, com efeitos retroactivos.
Nos Estatutos aquando da fundação da FPF constava precisamente a intenção de fazer disputar o CAMPEONATO DE PORTUGAL. Ora, venham agora dizer-me que a intenção não era a de apurar um CAMPEÃO NACIONAL!
É claro que sim! O povo queria saber quem era o melhor clube de Portugal, quem era o CAMPEÃO NACIONAL ! nos jornais da altura era precisamente assim que era intitulado o vencedor do CP.
E até, quando já se disputavam as Ligas os jornais faziam referência à final do C.P. como: "joga-se hoje para o título máximo de Portugal".
Lamentavelmente, a imprensa ignora o antigo campeonato de Portugal, como se não tivesse existido talvez para dar mais importância à I Liga. Muitos países começaram por organizar os seus nacionais dessa forma, como é o caso da Alemanha, até 1963.
Se, por acaso, as antigas Ligas fossem ganhas, por exemplo, pela Académica, Carcavelinhos, Belenenses e V. Setúbal, haveria tantos defensores da mentira instituída pela imprensa e defendida por fanáticos clubistas?
Paulo Claro

Etiquetas: , , , ,

14 Comentários:

Às 23:29 , Blogger Zé Luís disse...

Está explicado então, o que resulta, aliás, numa confirmação:
- em Portugal mobilizou-se o futebol "por ouvir dizer" mas "sem saber-se bem o que é".
Lei é lei, o vencedor do campeonato de Portugal é o campeão nacional. Mas não fazia sentido algum que o fosse numa prova por eliminatórias.
Se já havia a intenção do campeonato em poules, para premiar a regularidade a duas voltas, devia ter-se num concílio qualquer legitimado o que era para legitimar: eliminatórias dá vencedores de taça, poules apuram um campeonato nacional a jogarem todos entre si.
Se o "association" não tivesse nascido, em forma de Liga, em 1888 com a FA Cup desde 1872 em Inglaterra, tudo bem; aliás, na Escócia seguiu-se logo os exemplos; em Espanha idem.
Os espertos dos portugas ficaram logo marcados pelas originalidades.
Por isso ainda hoje o nosso futebol é o que é em termos organizativos.
Patos-bravos.
Gostei deste esclarecimento. E do que se me ofereceu dizer.

 
Às 18:26 , Anonymous Olheiro disse...

Como diria o outro:
"2 palavras - A Poiado" ;)

Gostei. Só gostava também de saber onde poderia arranjar esse livro do Mestre Parreirão?

 
Às 21:48 , Blogger zenabola disse...

Parece-me substir a ideia que as provas no sistema de "poule" ou campeonato geram campeões e as provas por eliminatórias apuram vencedores. Sem pretender ser o dono da verdade acho que é errado pensar assim, porque o que interessa é o objectivo do organizador da prova. Por exemplo: a Taça dos Clubes Campeões Europeus (1955-92) foi disputada por eliminatórias para apurar o melhor clube da Europa, ou seja o campeão continental, ou não?
O campeonato do mundo de clubes também se disputa por eliminatórias. Reparem, é campeonato mas disputa-se por eliminatórias, são razões económicas e disponibilidade de datas que levam os organizadores a realizarem as provas desta forma.
Os federativos portugueses dos anos 20 não inventaram nada, optaram pelas eliminatórias por razões meramente económicas, Portugal era mais que pobre, era miserável.

 
Às 00:25 , Anonymous Konterman disse...

Eu não tinha dúvidas que o Campeonato de Portugal é que dava o campeão Nacional pois, tenho o livro dos 75 anos da FPF. Reparem que Países como a Alemanha, Itália, Bulgária, Suécia etc. começaram por apurar os seus campeões numa prova por eliminatórias. Não se esqueçam que nos inicios de 1900 não haviam aviões, nem autocarros etc. para deslocações por todo o País. As provas tinham que ter o minimo de jogos possivel a nivel Nacional por isso, muitos optaram pelas eliminatórias. O Zenabola explica bem no comentário anterior a situação dos Mundiais e dos Europeus.
E Portugal porque é que havia de ser diferente? Quase não havia dinheiro para comer quanto mais para fazer deslocações todas as semanas!
Olheiro, penso que na FPF ainda têm o livro á venda é uma questão de telefonar e perguntar. Na antiga sede na Praça da Alegria, cheguei a ver o livro á venda.
Um abraço

 
Às 11:42 , Blogger Zé Luís disse...

zenabola, tens razão em parte. Mas a Taça dos Campeões Europeus, embora não na 1ª edição (foi por convites) e muito menos nas últimas Champions, em princípio é para campeões nacionais; a Taça das Taças era para os vencedores de Taça de qualquer país; a Taça UEFA também, pela tua leitura, podia dar um título de campeão da Europa, abarcando várias equipas de tantos países. Não é o nome final que está em causa, campeão ou só "vencedor da Taça dos Campeões". A verdade é que também não é possível fazer-se um campeonato de clubes na Europa para termos um campeão europeu.
O nome final é o que interessa menos. Em Espanha, o vencedor da Liga é o campeão nacional e quem ganha a Taça é o campeão da aça, não o "vencedor" da Taça. Na América do Sul eles falam do campeão da Copa tal.
Agora, simplificando, eliminatórias devia dar vencedor de Taça. Poules devia dar campeão nacional. A FA Cup desde 1872 não dava um campeão inglês, só a partir da criação da Liga em 1888.
Continuo a crer que não fazia sentido o que se preconizava em Portugal. Mas éramos amadores e há dificuldades que se compreendem.

 
Às 14:22 , Blogger Nuno disse...

A Taça dos campeões Europeus também mudou de nome e de modo de disputa e não foi por isso que os vencedores dos anos 50, 60, 70 e 80 (entre os quais o Benfica e o FC Porto) deixaram de ser campeões europeus. Portanto, tal como o Paulo Claro, o zenabola e o konterman muito bem explicam, os campeões portugueses têm,necessáriamente, que ser os vencedores do Campeonato de Portugal. A não ser que, com desonestidade e má fé, se queira beneficiar um determinado clube, o que me parece ser o caso do Ricardo Ornelas e de "A Bola".

 
Às 04:00 , Anonymous Konterman disse...

Caro Zé Luís, vá ao site de estatísticas mundiais RSSSF e veja quantos Países começaram por apurar os seus Campeões Nacionais através do sistema de eliminatórias.
Alemanha, Bulgária, Itália, Finlândia, Suécia, etc, e estou só a falar de cor. Repare bem as potências Mundiais que eu mencionei.
Eu percebo a sua ideia e tem toda a lógica e, por isso, é que hoje em dia, as competições estão assim ordenadas. Em poule, apura o Campeão Nacional e em eliminatórias, apura o vencedor da Taça.
Mas nos finais do sec.19 e inicios do sec.20, a realidade era outra e, se haviam Países que conseguiam fazer campeonatos em poule outros havia que não o podiam fazer.
No entanto, são considerados Campeões Nacionais !
Um abraço

 
Às 19:14 , Anonymous Anónimo disse...

tu es e um grande fanatico clubista lagarto ou tripeiro queres e tirar 3 taças limpinhas que o benfica ganhou tça de portugal sucessora do campeonato de portugal ponto final depois campeonato da liga com o benfica a ganhar 3 titulos seguidos (invejosos) depois campeonato da 1 divisao e por ai adinate o campeonato de portugal era uma prova menor num país miserável sem meios pra fazer melhor

 
Às 10:55 , Anonymous Anónimo disse...

Resta saber quem nesta história tenta re-escrever a história. A nota da reformulação das competições por parte da FPF em 1938 é clara - o Campeonato Nacional da primeira divisão substitui o Campeonato da 1ª Liga e a Taça de Portugal substitui o Campeonato de Portugal. É consultar os jornais da época na hemeroteca, ou numa das bibliotecas municipais que têm registo da imprensa portuguesa do século XX (ou ainda na Biblioteca Nacional). É curioso também que nos tempos recentes apenas o jornal Record contabilize os campeonatos a partir de 1938-39 (não os ligando contudo ao Campeonato de Portugal). Digo que é curioso, porque se consultarmos o Record de 1 de Março de 1952, por exemplo, faz-se aí a antevisão do Benfica-Sporting do dia seguinte para o campeonato de 1951-52. Nessa antevisão apresentam a ficha do primeiro jogo que opôs os dois rivais para a mesma competição. E, pasme-se, é o jogo da primeira volta de 1934-35. Outro exemplo do mesmo Record: 16 de Maio de 1953 - apresentam-se as classificações de todos os campeonatos até 1952-53, sendo os da 1ª liga de 1934-35 a 1937-38 contabilizados com os demais.
Não querendo seguir o mesmo registo fanático das verdades absolutas, e de apagar os comentários que não defendem o nosso ponto de vista, deixo estes exemplos para que cada um consulte à sua vontade e forme as suas próprias opiniões, sem tentar re-escrever a história à maneira que mais lhe convém.
Francisco Assis

 
Às 12:25 , Blogger zenabola disse...

Caro Francisco Assis,
Começemos pelo fim, nunca apaguei comentários contrários à minha opinião, depois, não sou fanático apenas oponho-me à "verdade" imposta pelos jornais e que "educou" o povo numa inverdade.
O que leu a respeito das alterações competitivas em 1938/39 também eu li, mas não tem nada a ver com atribuição de títulos.
Vejamos, a 1ª Divisão substitui-o o campeonato da I Liga, CERTO; a Taça de Portugal idem o Campeonato de Portugal, CERTO.
As novas provas substituiram as anteriores não só na designação mas, principalmente, o objectivo das mesmas.
O Campeonato de Portugal, era disputado depois do I Liga e apurava o campeão de Portugal, logo Nacional, a I Liga disputava-se depois dos Regionais, inicialmente para apurar da viabilidade económica duma prova longa e onerosa para os clubes, mas que veio a provar-se viável e de grande interesse desportivo.
Oficialmente (Relatórios da F.P.F.) esta prova outorgava o título de campeão da Liga (designação inglesa, para este tipo de prova), mas o título de CAMPEÃO NACIONAL era obtido pelo vencedor do Campeonato de Portugal.
Não sou eu que quero assim, são os documentos oficiais e, quando se escreve a história do futebol português não é pelo diz-se diz-se dos jornais.
Esta discussão já existe há muitos anos, e eu pergunto: é porque o Benfica ganhou 3 Ligas que se defende este campeonato?.
Repare nisto: à tempos o FC Porto afirmava ser campeão do mundo porque tinha ganho a Taça Intercontinental. A FIFA, no ano passado, veio afirmar que campeão do mundo é o vencedor do Campeonato do Mundo de Clubes, organizado por eles.
Os jornais e os clubes, por vezes, reclamam títulos para adoçarem os feitos, tal como os pobres que disfarçam a pobreza das suas vidas com a ostentação de coisas materiais.
A terminar digo-lhe: é uma pena que a FPF não tenha, na altura, decidido que a I Liga outorgava o título de campeão nacional que na minha opinião seria mais justo, mas não o fez, e não há campeões retroativos.

 
Às 22:31 , Anonymous Anónimo disse...

A 4 de Junho de 1972, antes do início da final da Taça de Portugal, os únicos sobreviventes da 1ª edição do Campeonato de Portugal, Jorge Vieira (SCP), João Brito e Floriano Pereira (FCP), desceram ao relvado com o chefe de estado para cumprimentarem ambas as equipas e receberem assim uma justa homenagem do público presente. A iniciativa foi da FPF, não de qualquer jornal ou jornalista. Porque não foi a mesma levada a cabo num jogo do campeonato nacional, já que pela tese aqui defendida, é esta a prova que sucedeu ao Campeonato de Portugal desde 1938-39? A resposta parece-me simples: em 1972, como em 1952 ou em 1938, a Taça de Portugal é considerada o seguimento do Campeonato de Portugal pelas entidades que tutelam o futebol. Os efeitos retroactivos são de quando? Em 1938, 1952 ou em 1972 este assunto não suscitava dúvidas.

Pergunto o contrário: será pelo Benfica ter ganho 3 títulos da 1ª liga que surge esta questão? Ou devemos acreditar que quem defende uma tese é por fanatismo clubista e quem defende o contrário é unicamente pela razão e a bem da "verdade"? Lembro que o FC Porto contabiliza o título de 1934-35 com os demais e não com os do Campeonato de Portugal que, aliás, são em maior número, ou seja mais apropriados para adoçarem os seus feitos.

Francisco Assis

 
Às 15:19 , Anonymous Anónimo disse...

E digo mais...
Há documentos da época que chama as 4 época da I Liga como "LIGA EXPERIMENTAL" . Se dúvidas havia elas estão tiradas, ou seja o correcto é dizer que o título máximo era o campeonato de Portugal,... até ser substituido pela taça e aí passara a ser o Campeonato Nacional por Poules a prova máxima

Giusepe Giorigio

 
Às 10:01 , Anonymous Anónimo disse...

"Às 19:14 , Anonymous Anónimo disse...
tu es e um grande fanatico clubista lagarto ou tripeiro queres e tirar 3 taças limpinhas que o benfica ganhou tça de portugal sucessora do campeonato de portugal ponto final depois campeonato da liga com o benfica a ganhar 3 titulos seguidos (invejosos) depois campeonato da 1 divisao e por ai adinate o campeonato de portugal era uma prova menor num país miserável sem meios pra fazer melhor"

Fanático és tu, que apoias o teu MERDAIL que deu em 2006 3 "títulos" ao teu clube, ao modificar uma decisão apoiada em AG da FPF 70 anos antes! Para mais, uma prova que era oficiosa, como tinha sido decidido então pela FPF e disputada por apenas 8 clubes voluntários e depois de se saber quem era o campeão de Portugal em cada um desses 4 anos. Então para ti, mais de 70 anos depois, durante esse espaço de tempo (4 anos) houve duas provas a dar o título de campeão?!
Para que saibas fanático, a tal LIGA que não tinha existência oficial, foi disputada 4 anos, como teste para se saber se seria possível organizar-se um campeonato nacional em 2 voltas, como já era efectuado na altura em Espanha, França, Itália, etc. e nunca como prova de substituição do campeonato de Portugal que foi disputado até ao final da época 1937/38 e que era reconhecido pela AG da FPF da altura, como a única prova que dava o título nacional.

Essa exigência do teu clube já vinha do inicio da década 60 do século passado e nunca o conseguiram, como também nunca convenceram a UEFA a reconhecer a Taça Latina que foi disputada e organizada a título privado pelos campeões nacionais de Portugal, Espanha, França e Itália.

Foi sempre assi no teu clube! Tentaram sempre enganar os outros ao apresentarem o COBRE como OURO.

 
Às 21:58 , Anonymous Anónimo disse...

Podem dar as voltas que quiserem com a designação de quem seria o campeão, mas não podem nunca adicionar provas por eliminatórias a campeonatos nacionais. o ser experimental não significa que não era oficial, pelo contrário como prova o facto de a FPF o reconhecer e o troféu atribuído ser igual ao campeonato nacional que lhe sucedeu.

Provas por pontos: campeonato da 1ªliga e campeonato Nacional da 1ª Divisão

Provas por eliminatórias: campeonato de Portugal e Taça de Portugal

Quem designava o campeão é irrelevante para a contabilidade as competições, ainda hoje chamam à taça de Portugal a prova rainha. Campeão da competição por pontos - campeonato da 1ª Liga, Campeão da competição por eliminatórias - campeonato de Portugal. Isto é claro e todos sabemos bem o porquê de surgir esta época esta tentativa de adulterar os factos.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial